Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Reunião sobre desocupação da orla do LagoParticiparam da reunião as Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente , da Ordem Urbanística e a Procuradoria Distrital dos Direitos do Cidadão

Representantes do Governo do Distrito Federal estiveram, nesta quinta-feira, dia 9, no Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) para discutir a desocupação da orla do Lago Paranoá. O objetivo do encontro é harmonizar a execução da sentença que condenou o DF a elaborar e apresentar planos de fiscalização, remoção e recuperação da Área de Preservação Permanente (APP) do Lago Paranoá. Um novo encontro ficou agendado para a próxima segunda-feira, dia 20.

Proferida em agosto de 2011, a sentença que obrigou o DF a desocupar a orla detalha quatro obrigações. O prazo para cumprimento era de 120 dias. Entretanto, somente metade das medidas foram executadas. Restam, ainda, as duas primeiras determinações, conforme lista abaixo:

  • Plano de Fiscalização e Remoção de construções e instalações erguidas na APP do Lago Paranoá, em desacordo com a vocação ambiental do lugar, observando-se as linhas poligonais que a definem e o cronograma.
  • Plano de Recuperação da Área Degradada da APP, também acompanhado de cronograma de execução, aprovado pelo órgão ambiental local ou ao menos protocolado para exame.
  • Projeto de Zoneamento e o Plano de Manejo da unidade de conservação, submetido ao Conselho Gestor da Área de Proteção Ambiental (APA) do Lago Paranoá.
  • Plano Diretor Local para os Lagos Sul e Norte, considerado o Zoneamento e o Plano de Manejo da APA com destinação pública compatível com a área da orla.

Em agosto de 2013, a Justiça deu 30 dias para o GDF apresentar o Plano de Fiscalização e Remoção de Construções e o Plano de Recuperação de Áreas Degradadas, acompanhados dos respectivos cronogramas para o acompanhamento da execução. Ainda fixou multa de R$ 5 mil, por dia de atraso e na hipótese de persistir o descumprimento, até o limite de R$ 300 mil. O governo local pediu a dilação do prazo, o que foi negado pela Justiça em novembro de 2013. Ainda cabe recurso da decisão. A ação foi ajuizada pelo MPDFT em 2005.

"O MPDFT vê com bons olhos a preocupação do governo em efetivar o cumprimento da legislação", disse o titular da 5ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, Paulo Leite Faria. Para o titular da 2ª PJ de Defesa da Ordem Urbanística, Karel Ozon, o DF tem uma oportunidade única de desocupar a orla do Lago Paranoá e mudar a realidade do local, dando uma destinação à área.

Comissão

Uma comissão, presidida pelo vice-governador do DF, Tadeu Filippelli, foi constituída para tratar do assunto. Segundo o representante da Procuradoria do DF, Emílio Ribeiro, as autoridades locais estão tentado apresentar uma proposta de trabalho, com ações imediatas para a desobstrução da orla do Lago Paranoá.

O consultor jurídico do DF Paulo Guimarães ressaltou a intenção do governo de implementar todas as medidas decorrentes da sentença judicial, entretanto explicou a dificuldade de definir a delimitação da APP do Lago. A questão foi rebatida pelo Ministério Público, uma vez que essa definição consta no Código Florestal.

O titular da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, Roberto Carlos Batista, enfatizou que a ação foi proposta após ampla vistoria da orla do Lago Paranoá. Inclusive, primeiro foi feito um trabalho criminal, com a ajuda da Polícia Técnica do DF, que embasou os argumentos do Ministério Público. "A sentença transitou em julgado há mais de cinco anos. Ante a falta de ação do governo, o MP foi obrigado a pedir a sua execução. O DF não havia apresentado nenhuma proposta concreta", explicou.

Segundo Batista, antes da ação civil pública (ACP), o Ministério Público tentou resolver a questão de maneira extrajudicial. "Apenas após a aplicação da multa o governo se mobilizou para o cumprimento da sentença". O promotor de Justiça sugeriu que fosse apresentado pelo GDF, de maneira formal, um cronograma de execução para análise, com o detalhamento das fases do Plano de Recuperação da Área Degradada.

Processo 2005.01.1.090580-7

Leia mais

DF terá 120 dias para apresentar plano de remoção de construções na orla do Lago Paranoá
Invasões na orla do Lago Paranoá em debate no MPDFT
Reunião no MPDFT debate ocupação irregular da orla do Lago

 
.: voltar :.