Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Rede social pela cidadania

Premiação do concurso: "Há outro caminho. Drogas: uma armadilha"Trabalhar com as crianças para diminuir o número de adultos envolvidos com a criminalidade.

Este é o pensamento que inspira o promotor de Justiça do Tribunal do Júri de Brazlândia Leandro Lobato Alvarez na condução dos projetos sociais desenvolvidos pelo Ministério Público com aquela comunidade. Uma das ações realizadas este ano é o concurso entre os professores da rede pública de ensino, com premiação de R$ 3 mil para aquele que realizar o melhor projeto de prevenção do uso indevido de drogas entre os estudantes.

O concurso é mais uma ação social idealizada e executada pelo promotor de Justiça Leandro, que ingressou no MPDFT em 2003, aos 26 anos. Desde o início de sua carreira, ele tem equilibrado suas funções específicas com um intenso trabalho social, que já está surtindo resultados.

Promotor de Justiça Leandro Lobato Alvarez "Quero auxiliar na redução da violência no Brasil. Ajudar os jovens a perceber que existem outras formas de diversão, além do exagero com bebidas e drogas", explica o promotor de Justiça ao observar que grande parte dos crimes tem alguma ligação com o uso de entorpecentes e de bebidas alcoólicas. Importante destacar que a maioria dos servidores da Promotoria de Justiça de Brazlândia está envolvida nesses projetos.

Aproximar o MPDFT do cidadão tem sido uma busca constante da atual Administração Superior da Instituição. Para isso, apoia os trabalhos sociais liderados por procuradores e promotores de Justiça.

Rede social pela Cidadania

A parceria com outras instituições é um dos pontos fortes do trabalho social desenvolvido pela Promotoria de Justiça de Brazlândia, que mantém um blog com 20 integrantes, como o Batalhão de Polícia Militar, a Delegacia, a Administração Regional, a Coordenação Regional de Ensino, além de associações religiosas, de assistência social e organizações não governamentais. O grupo se reúne, mensalmente, para apresentar propostas e debater meios para a efetivação dos pleitos da comunidade.

Essa rede social, iniciada pela promotora de Justiça Alessandra Morato, tornou-se importante ferramenta no trabalho diário dos componentes da Rede Social, pois promove o conhecimento das atividades desenvolvidas pelas instituições, o que resulta em agilidade no encaminhamento das demandas sociais.

Um exemplo é a implantação do Centro de Referência Especializado de Assistência Social, para atendimento de situações de violência de direitos, tais como usuários de drogas, vítimas de violência doméstica, moradores de rua, entre outros necessitados. O serviço foi iniciado, em 2011, após dois anos de reivindicações realizadas ao poder público pelo Ministério Público e por parceiros.

Vitória já comemorada, agora é seguir em frente. A nova "batalha" iniciada este ano pela Rede Social de Brazlândia é para a instalação de um centro de assistência psicossocial - Caps - da Secretaria de Saúde do DF, para atender questões de saúde mental.

Para saber mais sobre a rede social de Brazlândia, clique aqui. 

Tardes de reflexões contra a violência doméstica

A Promotoria de Justiça de Brazlândia também promove ações para reduzir a violência doméstica. Um exemplo é o projeto "Tardes de Reflexão", coordenado pela promotora de Justiça Laís Cerqueira, que convida homens e mulheres envolvidos nesses crimes para participar de reuniões com psicólogos e assistentes sociais da Secretaria de Estado da Mulher e analistas processuais do Ministério Público.

.: voltar :.