Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Operação Patrik: moeda digital Kriptacoin é alvo de investigação do MPDFT e da PCDF

Para atrair aplicadores, grupo promovia festas de música eletrônica, ostentava carros de luxo e prometia lucro de R$ 1 milhão, em até seis meses

foto operacao kriptacoinA 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor (Prodecon) e a Polícia Civil do DF (PCDF) deflagram, nesta quinta-feira, 21 de setembro, a Operação Patrik, que investiga a venda da moeda digital Kriptacoin. Foram cumpridos 11 mandados de prisão temporária e 18 buscas e apreensões no Distrito Federal e Goiás. Foram apreendidos oito automóveis de luxo e dinheiro – a PCDF ainda não fez um levantamento do valor recolhido.

A moeda digital pertence à empresa Wall Street Corporate. Os envolvidos fazem parte de um suposto esquema de organização criminosa, que praticava estelionato, lavagem de dinheiro, uso de documentos falsos e cometia o crime de pirâmide financeira. A investigação teve início a partir de uma denúncia anônima feita no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Segundo o promotor de Justiça Paulo Roberto Binicheski, os envolvidos serão denunciados pelos crimes que cometeram dentro da sua participação na empresa. “Há provas seguras e cabais contra todos os presos, por isso, o pedido de prisão foi temporária e não preventiva”, explicou o promotor. As apurações da Prodecon e da PCDF continuam e correm em sigilo para preservar a investigação.

Como funcionava o sistema

As atividades do grupo começaram em janeiro de 2017. Pessoas eram induzidas a aplicar o seu dinheiro na moeda virtual com a promessa de 1% de lucro ao dia. Como forma de convencimento, os envolvidos promoviam festas de música eletrônica e ostentavam carros de luxo, além disso, falavam que, em até seis meses, os investidores teriam ganhado R$ 1 milhão. No início, era possível o saque de qualquer quantia, depois, a empresa permitia saques no limite de R$ 600. Com o tempo, as vítimas tiveram dificuldades para resgatar o dinheiro aplicado, inclusive, muitas foram coagidas e ameaçadas.

As fraudes podem gerar prejuízo a 40 mil investidores das classes baixa, média e alta e podem ter movimentado cerca de R$ 250 milhões. Muitas vítimas venderam imóveis para aplicar o dinheiro na Kriptacoin. “Fica o alerta para não acreditar nesse tipo de promessa. Todas as vítimas podem procurar a delegacia próxima a sua residência para apresentar denúncia”, reforçou o delegado da Coordenação de Repressão aos Crimes contra o Consumidor e Fraudes (Corf), Wisllei Salomão.

Em relação ao possível ressarcimento das vítimas, Binicheski explica que o dinheiro e os carros apreendidos “serão objetos de restituição, mas é provável que muita gente ainda fique no prejuízo”.

Secretaria de Comunicação
(61) 3343-9604 / 3343-9601 / 3343-6413 / 99303-6173
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
facebook.com/mpdftoficial
twitter.com/mpdft
youtube.com/mpdftoficial
instagram.com/mpdftoficial

.: voltar :.