Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Além de Gael e Hunter, o acordo assinado ainda prevê mais oito animais para a identificação de agentes nocivos em portos e aeroportos

caes mapa notaDois novos cães de segurança que, nos últimos dias, passaram a integrar o Centro Nacional de Cães de Detecção (CeNCD) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), foram adquiridos com recursos financeiros originários de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e pela Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF). Pelo acordo assinado, ficou estabelecido que parte da importância apreendida com a empresa processada por conduta lesiva aos consumidores seria destinada  à aquisição de dez cães de detecção, além de outras obrigações relativas à reparação de danos causados a clientes.

Utilizados pela Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), os animais são uma ferramenta ágil e versátil nas buscas de produtos de interesse agropecuário de ingresso proibido no Brasil ou controlados. Os novos cães, Gael e Hunter, da raça pastor belga malinois, se juntarão a Léo, Frida, Meg e Vamp na equipe do Centro Nacional de Cães de Detecção (CeNCD) do Mapa.

O TAC foi firmado no curso de uma ação civil pública movida pela DPDF e pela 1ª Prodecon/MPDFT, em 2018, devido a irregularidades identificadas na atuação da empresa de assessoria de crédito. Para a promotora de Justiça Juliana Oliveira, a medida “reforçará a fiscalização agropecuária brasileira em portos, aeroportos e postos de fronteira e, por consequência, contribuirá para a segurança dos produtos alimentícios destinados ao mercado nacional”.

Seleção e treinamento

A seleção de um cão farejador começa com a avaliação do canil fornecedor para verificação das condições de higiene e estrutura do local. A escolha do animal é complexa e passa por uma avaliação comportamental, com testes em locais públicos, e física com a realização de exames laboratoriais veterinários.

Um novo cão leva em média de 3 a 8 meses para treinar o faro em odores de produtos agropecuários que possam ameaçar a produção nacional, como frutas, carnes, queijos, mel, entre outros. Também são feitos treinamentos de socialização e com deslocamentos para acostumar o cão com os ambientes e a circulação de público.

*com informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Secretaria de Comunicação
(61) 3343-9601 / 3343-9220 / 99303-6173
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
facebook.com/mpdftoficial
twitter.com/mpdft
youtube.com/mpdftoficial
instagram.com/mpdftoficial

.: voltar :.