Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Participaram da ação 4 promotores de Justiça e 22 policiais civis. As investigações começaram há cerca de 3 meses

No Dia da Justiça, 8 de dezembro, o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) e a Polícia Civil deflagraram a Operação Trackcare, que investiga a confecção e o uso de atestados médicos falsos por profissionais da Secretaria de Saúde. Foram cumpridos dois mandados de condução coercitiva, em que foram ouvidos o técnico de enfermagem Marcelo Cereja e a enfermeira Daniela Moiana, e seis mandados de busca e apreensão na casa dos investigados e no local de trabalho, o Centro de Saúde nº 3 do Guará.

As informações chegaram ao conhecimento do MPDFT por meio de denúncia anônima. Estão à frente da investigação a 4ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus) e a Promotoria de Justiça Criminal de Defesa dos Usuários da Saúde (Pró-Vida), com o apoio da Delegacia de Combate aos Crimes contra a Administração Pública (Decap). As investigações mostraram que o técnico de enfermagem apresentou 16 atestados e teve 47 abonos duvidosos na folha de ponto. Já a enfermeira homologou 18 licenças e teve 18 incidências diversas. Apesar disso, Daniela conseguiu fazer 402 horas-extras em cinco meses.

Segundo as investigações, a dupla usava carimbos e assinaturas falsas de médicos para abonar as próprias faltas — um dos profissionais saiu da SES há 15 anos. Eles se revezaram nos últimos dois anos em cargos de chefia do Centro de Saúde nº 3 do Guará II. Além das faltas criminais, os promotores de Justiça enfatizam que os fatos precisam ser apurados pelas entidades de classe dos profissionais de saúde.

Se confirmadas as suspeitas, os investigados podem responder por falsidade ideológica, uso de atestado falso, peculato e inserção de dados falsos em sistema de informática. As investigações continuam e não está descartada a participação de outros servidores. “Há indícios de que o uso de atestados falsos é uma prática corriqueira na Secretaria de Saúde. O excesso de horas-extras de profissionais da SES também está em investigação”, disse o promotor de Justiça de Defesa da Saúde Luis Henrique Ishihara.

Trackcare

O nome da operação faz alusão ao software da Secretaria de Saúde que registra os atendimentos diários. Secretaria de Comunicação
(61) 3343-9604 / 3343-9601 / 3343-6413 / 99303-6173
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
facebook.com/mpdftoficial
twitter.com/mpdft
youtube.com/mpdftoficial
instagram.com/mpdftoficial

.: voltar :.