Imprimir

Os promotores de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e a Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (DECO) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), com apoio da Controladoria Geral da União (CGU) e da Receita Federal, deram cumprimento na manhã desta sexta-feira, dia 18, a mandados de prisão, buscas e apreensões e de condução coercitiva em cumprimento à decisão da 5ª Vara Criminal de Brasília.

A Operação São Cristóvão consiste no cumprimento de cinco mandados de prisão temporária, 24 mandados de condução coercitiva e 23 mandados de busca e apreensão. As investigações envolvem organização criminosa que se instalou na direção do SEST/SENAT (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizado do Transporte) e que, ao longo dos anos, tem desviado recursos das entidades. Como integrantes do Sistema S, os valores que mantêm o SEST/SENAT consistem em recursos oriundos de contribuições parafiscais realizadas por empresas. Esses recursos estão sujeitos à fiscalização pelos órgãos de controle do Estado (TCU e CGU). Segundo as investigações realizadas, os desvios ocorriam por meio do recebimento de vultosas quantias pelos dirigentes do SEST/SENAT, a título de gratificação, e por meio de pagamento a parentes dos dirigentes do SEST/SENAT na qualidade de trabalhadores autônomos.

O Ministério Público ressalta que as pessoas presas temporariamente e conduzidas à Delegacia, assim como aquelas contra as quais foram executadas ordens de busca e apreensão em seus domicílios ou residências, são presumidamente inocentes até prova em contrário.