Concurso para Campanha de Prevenção à DrogasSuas escolhas deixam marcas. Esse é o título do trabalho vencedor do I Concurso de Campanha Publicitária para Ação de Prevenção às Drogas do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), realizado em parceria com a agência de publicidade Borghi/Lowe. Eduarda Liu e Pâmella Moraes, alunas da Universidade de Brasília, são as autoras da campanha vencedora.

O conceito da peça transmite a ideia de que existem consequências, marcas e sequelas para o usuário de drogas. Essas marcas podem ser inúmeras, sejam elas físicas, psicológicas, familiares e até mesmo sociais. De acordo com a comissão julgadora, outro aspecto relevante dessa proposta foi colocar a pessoa como protagonista de suas ações e escolhas.

Para os organizadores, a primeira edição do concurso foi bem-sucedida, com um considerável número de participantes. Foram realizadas 39 inscrições no site, sendo que foram efetivamente entregues 21 trabalhos que concorreram ao grande prêmio: duas vagas de estágio na agência Borghi/Lowe e a possibilidade de ter o seu trabalho veiculado na mídia.

Alunos de sete instituições de ensino superior do DF entregaram trabalhos: Universidade de Brasília (UnB); Universidade Católica de Brasília (UCB), Faculdade Projeção, Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB), Faculdade JK, Centro Universitário Euroamericano (Unieuro) e do Centro Universitário de Brasília (UniCeub).

"Levando em conta que é a primeira edição, os resultados foram muito positivos. Essa participação não é simples e fácil, pois exigiu dedicação dos alunos. O sucesso também é atribuído ao fato de que a campanha de prevenção às drogas começou dentro das faculdades, entre os alunos que se reuniram para discutir e pesquisar o tema", exaltou o vice-presidente da agência Borghi/Lowe, Ricardo Hoffmann.

O titular da 7ª Promotoria de Justiça de Entorpecentes, Theodoro Carvalho, salientou a satisfação com o envolvimento das faculdades e a dedicação que os alunos demonstraram na elaboração das ideias. "Várias propostas apresentaram grande qualidade e um nível que nos deixou animados em repetir a experiência", enfatiza.

Comissão julgadora

A comissão se reuniu nos dias 21 e 22 de novembro. A avaliação foi realizada de maneira interdisciplinar, levando em conta aspectos técnicos, legais e psicossociais. O grupo foi composto pela assessora de Políticas Institucionais do MPDFT, promotora de Justiça Ana Luíza Osório; pelo titular da 7ª Promotoria de Justiça de Entorpecentes, Theodoro Carvalho; pela chefe da Divisão de Publicidade do MPDFT, Roseane Vale; pela assistente social do MPDFT, Cátia Betânia Chagas; pelo vice-presidente da agência Borghi/Lowe, Ricardo Hoffmann; e pela publicitária da agência Borghi/Lowe Alejandra Vivas.