Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Crime, praticado por motivo torpe, ocorreu em Águas Claras (Areal) em janeiro deste ano

O Tribunal do Júri de Taguatinga condenou, na última sexta-feira, dia 7, Denesson da Silva Meireles, 19, conhecido como “Denis Pimentinha”, a 36 anos e oito meses de prisão pelo assassinato de Weslene Moreira de Oliveira, 35, e outros crimes conexos. O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) denunciou o acusado por homicídio duplamente qualificado, extorsão, porte de arma de fogo com numeração raspada e tentativas de homicídio. O réu era temido pelos moradores do Areal, onde frequentemente andava armado, praticava roubos e fazia uso de drogas.

Relembre o caso

No dia 25 de janeiro deste ano, Denesson abordou um casal de namorados, Diêgo Fonseca e Rayssa Lorrane de Araújo. O acusado exigiu a bermuda do rapaz, que não foi entregue. Com a intenção de constrangê-los, ele ameaçou a menina e sua família de morte e disse que pegaria a bermuda depois. Mais tarde, Denesson foi até a casa de Rayssa e o primo da garota, Lucas de Oliveira, efetuou disparos de arma de fogo contra para afastar o acusado.

Por vingança, Denesson se dirigiu então a casa de Lucas e efetuou disparos na varanda da residência onde estavam sua irmã Weslene, Kleber Ferreira Moura, 30, e quatro crianças, de sete, cinco, dois e um ano de idade – a mais nova, filha da vítima. Weslane foi atingida na cabeça e não resistiu aos ferimentos. Por erro de pontaria o acusado não atingiu as crianças. Denesson conseguiu escapar e ficou foragido por cerca de um mês, período em que praticou outro crime.

.: voltar :.