A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Brasília (ABIH) se manifestou contrária à expansão do Setor Hoteleiro Norte, na SGAN 901, em virtude do DF contar com 23 mil leitos de hotelaria disponíveis, "sem mencionar as opções de pequenos hotéis, pousadas, quitinetes e os 13 empreendimentos hoteleiros que estão em construção". A manifestação foi uma resposta ao ofício encaminhado pela 3ª Promotoria de Justiça de Defesa da Urbanística (Prourb) que solicitou informações sobre o déficit de leitos de hotel na capital.

O documento será juntado à ação contra a expansão do Setor Hoteleiro Norte, ajuizada pela Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Segundo cálculos da ABIH/Brasília, os lotes vagos e empreendimentos em construção totalizarão cerca de 6.746 novos quartos. Segundo o órgão, no Setor de Hotéis e Turismo Norte (SHTN), na região em torno do Casa Park, em Águas Claras e demais cidades do DF há ainda uma grande quantidade de lotes onde é possível a implantação de hotéis. Com esses empreendimentos, o DF terá mais cinco mil quartos e, até 2014, um total de 35 mil leitos disponíveis.

No ofício, a ABIH/Brasília afirma que a empresa responsável pela hospedagem de delegações e montagem de pacotes turísticos em nome da FIFA já contratou a quantidade de quartos de que precisava em todas as 12 cidades sede e que, dificilmente, novos parcelamentos criados para hotéis estarão aprovados, licenciados e implantados antes da Copa do Mundo de 2014.

Ao final do documento, a ABH afirma que "a Copa tem sido usada como artifício para viabilizar negócios do setor imobiliário e do Governo, seja para tentar justificar a criação de áreas não previstas no plano urbanístico da cidade, seja para influenciar os investidores na compra de quitinetes, apresentadas como quartos de hotéis, com promessas de alta rentabilidade".

Clique aqui para ler o documento.