A 3ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb) solicitou a juntada do parecer da Casa de Lucio Costa à ação civil pública contra a expansão do Setor Hoteleiro Norte (SGAN 901). Em manifestação técnica, a urbanista e arquiteta Maria Elisa Costa foi enfática quanto à incompatibilidade entre o projeto urbanístico de Brasília e a proposta apresentada pela Terracap, que prevê edifícios de até 55 metros de altura.

A urbanista destacou que há outras opções para solucionar eventuais problemas de hospedagem e considera que a expansão do Setor Hoteleiro Norte para além de sua delimitação física original compromete a preservação da identidade urbana original de Brasília, sendo absurdo utilizar-se de um evento passageiro e de curta duração como a Copa do Mundo de Futebol para justificar o projeto.

Ao fim de seu parecer, ela recomenda que "o projeto proposto pela Terracap não seja aprovado, em nenhuma hipótese", posicionamento semelhante ao da Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Distrito Federal (Iphan), em manifestaçãode 13 de outubro de 2011.

A arquiteta e urbanista Maria Elisa Costa é filha do urbanista Lucio Costa, autor do projeto do Plano Piloto, foi superintendente nacional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e atualmente preside a Casa de Lucio Costa, sociedade civil sem fins lucrativos criada para manter e difundir a memória de seu pai.