Imprimir

Ivaldo Lemos Junior
Promotor de Justiça do MPDFT

Na próxima quarta-feira, dia 28 de outubro, entre as 18 e as 21 horas, na sede da Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (Setor de Clubes Sul, trecho 2, perto do Centro Cultural Banco do Brasil) será lançado o livro “Fuga de Sobibor e outras histórias do holocausto e da guerra”, de minha autoria, publicado pela melhor editora do mundo, a Gazeta Jurídica.

Ele já se encontra à venda há algumas semanas, mas esta é a oportunidade ideal para adquirir seu exemplar ou seus exemplares (para primos, cunhados etc., o Natal se aproxima) com uma dedicatória do autor, o que sempre confere um saborzinho especial ao leitor.

Por culpa exclusiva da pandemia, o formato será do tipo “drive thru”, com venda no local, sem sair do carro. Se você já tiver seu volume, leve-o e receba a dedicatória.

Também estará à venda minha obra anterior, “Cláusula Miranda e os três fantasmas que se divertem no processo penal brasileiro”, igualmente publicado pela Gazeta Jurídica, repita-se, a melhor editora do mundo, e cuja leitura não posso fazer outra coisa senão recomendar com entusiasmo.

Produzir livro é um processo muito complexo (neste caso, consumiu cerca de cinco anos de pesquisas), que envolve sacrifício, hesitações e até dor, mas também crescimento, superação e satisfação. Colocá-lo ao julgamento do público é um ato de coragem, humildade e generosidade.

Por falar em humildade, quem redigiu o prefácio foi o consagrado jurista, ministro e professor Francisco Rezek, que assim se expressou: “várias vezes, ao longo da leitura, disse a mim mesmo: este livro não existe, é um delírio, é uma ilusão de ótica”. Ele me chamou de “raro autor” e o livro, “uma obra de erudição” e “um compêndio de História”, dentre outros elogios esplêndidos.

Prestigie o evento. Vou ficar muito feliz e agradecido se você me der essa honra. Até lá!

Jornal de Brasília - 21/10/2020

Todos os textos disponibilizados neste espaço são autorais e foram publicados em jornais e revistas. Eles são a livre manifestação de pensamento de seus autores e não refletem, necessariamente, o posicionamento da instituição.