Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

MPDFT

Menu
<

Tamanho da fonte:

Caso Villela: filha acusada de mandar matar os pais vai a júri popular

Crimes ocorreram há dez anos; outros três envolvidos já foram condenados

cronologia crime villelaComeça na próxima segunda-feira, 23 de setembro, o julgamento da arquiteta Adriana Villela. Ela foi denunciada pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) pelos homicídios dos pais, José Guilherme Villela e Maria Carvalho Mendes Villela, e da empregada da família, Francisca Nascimento da Silva. O júri popular decidirá se Adriana foi a mandante dos crimes ocorridos há dez anos.

Segundo a denúncia do MPDFT, Adriana Villela teria contratado Leonardo Campos Alves, ex-porteiro do prédio do casal Villela, para cometer os crimes. Ele receberia dinheiro e joias como pagamento. Leonardo combinou a execução dos homicídios com Paulo Cardoso Santana, seu sobrinho, e Francisco Mairlon Barros Aguiar, que também seriam recompensados.

Em 28 de agosto de 2009, Leonardo levou Paulo e Francisco até a SQS 113, onde os Villela viviam, e esperou pelos comparsas nas proximidades. Os dois entraram no prédio com as indicações fornecidas por Leonardo e Adriana. Dentro do apartamento, eles atacaram as três vítimas com golpes de faca. Para simular um crime de latrocínio, eles levaram joias no valor de R$ 10 mil e US$ 70 mil em espécie.

Para a Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri, trata-se de homicídios triplamente qualificados e não latrocínio, crime em que inexiste a figura de um mandante. Os assassinatos de José Guilherme e de Maria foram cometidos por motivo torpe: a filha queria se vingar dos pais pelos frequentes desentendimentos financeiros. Ela dependia economicamente deles e recebia mesada, mas considerava o valor baixo. O homicídio de Francisca ocorreu para garantir a impunidade pelos crimes, pois ela poderia identificar os autores.

Os réus também usaram recurso que dificultou a defesa das vítimas, pois os três foram surpreendidos em casa, quando não tinham razões para acreditar que seriam atacados. Além disso, o meio empregado foi cruel: juntas, as vítimas receberam 73 facadas, a maioria quando já estavam caídas.

Os outros três envolvidos já foram condenados pelo Tribunal do Júri. As penas foram fixadas em 62 anos e 1 mês para Paulo; 60 anos para Leonardo; e 55 anos para Francisco. O julgamento de Adriana vinha sendo adiado pelos sucessivos recursos apresentados pela defesa. Em fevereiro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que ela deveria ser julgada pelo júri popular. Na véspera do julgamento, o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que não havia motivos para adiar o julgamento.

Clique aqui para ter acesso à denúncia. 

Casos semelhantes

Essa não é a primeira vez no Distrito Federal que filhos são levados a júri popular por serem mandantes do assassinato dos pais. Em outro dois casos, a situação era semelhante: pais com boa condição econômica e filhos insatisfeitos com a mesada que recebiam.

Roger Willian Borges Saliba

  • Mandou matar o pai, José Saliba (dono do clube Sírio-Libanês), por desentendimentos financeiros
  • Crime ocorreu em 12 março de 2004
  • Homicídio duplamente qualificado (crime cometido mediante promessa de recompensa e com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima)
  • Agravantes: crime cometido contra ascendente e crime praticado contra pessoa maior de 60 anos
  • Pena: 24 anos de reclusão em regime inicial fechado
  • Na sentença, o juiz afirmou: “Repugnantes se tornam os motivos que levaram o réu ceifar a vida de seu próprio pai. A ganância, a frieza e a premeditação revelam os desprezíveis motivos do crime, absolutamente reprováveis.”
  • Outros quatro envolvidos: Thiago Barbosa dos Santos Silva (assassinado a mando de Roger Saliba), Denner Sousa Araújo (19 anos e 8 meses), Cristiano Batista (17 anos e 4 meses) e Pedro Araújo Angeli (4 anos e 5 meses).

Heriberto Teixeira de Lima Filho

  • Mandou matar o pai, Heriberto Teixeira de Lima (dono da rede de açougues Ki-Carnes) para herdar o patrimônio
  • Crime ocorreu em 25 de fevereiro de 2017
  • Homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e dissimulação)
  • Pagamento: R$ 10 mil e 1 kg de cocaína
  • Pena: 20 anos e 6 meses de reclusão em regime inicial fechado
  • Outros dois envolvidos: Nilton Nélio da Silva (54 anos e 7 meses por dois homicídios), Jhonathan Alves de Sousa (assassinado por Nilton Nélio por não ter pago o valor combinado pelo homicídio de Heriberto Teixeira de Lima) e adolescente.


Leia mais

Caso Villela: STJ decide que Adriana deve ser julgada pelo Tribunal do Júri

Crime da 113 Sul: STJ decidirá na próxima terça-feira se Adriana Villela vai a júri popular

Caso da 113 Sul: MPDFT obtém prisão da ex-delegada Martha Vargas

Crime da 113 Sul: réu é condenado a 62 anos de prisão

MPDFT consegue condenação de policiais civis por crimes cometidos durante investigação do Caso Villela

Caso Villela: MPDFT consegue a condenação de dois réus do triplo homicídio

Caso Villela: MPDFT denuncia mais 11 policiais

Nota ao público: caso da 113 Sul

Secretaria de Comunicação
(61) 3343-9604 / 3343-9601 / 3343-6413 / 99303-6173
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
facebook.com/mpdftoficial
twitter.com/mpdft
youtube.com/mpdftoficial
instagram.com/mpdftoficial

.: voltar :.